FEDERAÇÃO PAULISTA DE ATLETISMO FEDERAÇÃO PAULISTA DE ATLETISMO
Cursos FPA - 22/08/2019 às 18:05:38
CURSO DE ARBITRAGEM EM SÃO PAULO - INSCREVA-SE!
De 06 a 08 de setembro em São Paulo, o Curso Básico de Arbitragem em Atletismo que vai preparar os participantes para atuar nas competições nacionais e internacionais realizadas no país.

Por WILLER DE ALMEIDA ALVES PINTO
BELO HORIZONTE, MG
Curso Básico de Arbitragem em Atletismo na FPA (Foto: Divulgação FPA)
CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM EM ATLETISMO 
 
1. Objetivos 
 
1.1 A Confederação Brasileira de Atletismo – CBAt, realiza e/ou autoriza a realização no Brasil de Cursos Básicos de Arbitragem em Atletismo desde que cumpridas, na íntegra, as condições estabelecidas neste documento. 
 
1.2 O principal objetivo dos Cursos Básicos de Arbitragem em Atletismo é preparar os participantes para atuar nas competições nacionais e internacionais realizadas no país. 
 
1.3 Os objetivos específicos incluem: 
 
1.3.1 assegurar um bom conhecimento e entendimento das regras técnicas da IAAF; 1.3.2 prover um entendimento das atribuições e qualificações de um bom Árbitro de Atletismo; 1.3.3 assegurar a correta interpretação prática das Regras da IAAF, incluindo trabalho prático na pista, campo e rua.

INSCRIÇÕES ENCERRADAS
 
2. Condições para participar 
 
2.1 Os requisitos para um participante de um Curso Básico são os seguintes: 
 
a) idade mínima de 16 (dezesseis) anos; 
 
b) ter interesse pelo Atletismo; 
 
c) ter concluído ou estar cursando o ensino médio. 
 
2.2 Não existe limite máximo para participantes nos Cursos Básicos. 
 


3. Conteúdo do Curso 
 
3.1 O Programa do Curso Básico inclui os seguintes itens: 
 
a) Introdução (1 hora): 
 
- A IAAF – Objetivos, história e estrutura. - A CBAt – Objetivos, história, e estrutura e relacionamento com a IAAF. - Estrutura das competições nacionais e internacionais de Atletismo. - Os Sistemas de Classificação de Árbitros – IAAF e CBAt. 
 
b) Estudo e Prática do Capítulo IV das Regras da IAAF (20-24 horas): 
 
- Atribuições e deveres dos árbitros. 
- Regras gerais de competição. - Provas de Corridas. - Provas de Saltos. - Provas de Arremesso/Lançamentos. - Provas de Marcha Atlética. - Corridas de Rua - Cross Country. - Provas Combinadas. 
 


4. Local do Curso 
 
4.1 O Curso Básico é realizado em uma sala de aula ou auditório (parte teórica) com os equipamentos necessários, e em uma pista de Atletismo com os equipamentos necessários (parte prática). 
 


5. Duração do Curso 
 
5.1 Os Cursos Básicos têm a duração de 24 horas, incluindo as avaliações. 
 
5.2 O número de dias de duração do Curso é decidido pelo Ministrante em conjunto com os organizadores e com aprovação da CBAt. Quando for possível, o curso deverá ser realizado em 4 (quatro) dias consecutivos em conjunto com uma competição, ou em um período de uma semana (com aulas em um único turno: manhã, tarde ou noite), terminando com a prática no final de semana, se possível com uma competição. 
 
5.3 Deve ser dada grande ênfase à atuação prática dos Árbitros – a maior parte das aulas deve ser prática, com o Ministrante providenciando exemplos práticos e os participantes revezando-se nas diversas funções. 
 


6. Ministrantes 
 
6.1 Os Cursos Básicos são ministrados por Árbitros pertencentes ao Quadro de Ministrantes de Curso Básico da CBAt.  
 
6.2 Em caráter excepcional, o Departamento de Árbitros da Confederação Brasileira de Atletismo pode autorizar o ingresso de Árbitros categoria “C” como ministrantes, devendo o nome do ministrante ser proposto à CBAt para aprovação, por intermédio de sua federação estadual. 
 


7. Material 
 
7.1 O material abaixo deverá estar à disposição do Ministrante do Curso Básico após a aprovação de sua realização: 
 
- Programa para o Curso. - Livros de Regras da IAAF. - Apresentação padrão do Curso Básico elaborada pela CBAt e distribuída por esta aos ministrantes. 
 
7.2 Cabe à CBAt providenciar o envio desse material para o Ministrante, visando a padronização dos Cursos Básicos no Brasil. 
 
7.3 Os participantes do Curso Básico devem receber o seguinte material: 
 
- Livro de Regras da IAAF. 
 
7.4 A reprodução dos materiais a serem distribuídos no Curso Básico é de responsabilidade dos respectivos organizadores, cabendo à CBAt o fornecimento dos originais. 
 


8. Avaliação 
 
8.1 A avaliação dos participantes do Curso Básico inclui os seguintes elementos: 
 
a) Escrita 
 
- Exame consistindo de múltipla escolha, respostas curtas, desenhos/situações (2 horas). Este elemento conta 100% do total de pontos disponíveis na avaliação do Curso Básico. 
 
- Os exames escritos serão entregues ao Ministrante em tempo, antes do Curso. 
 
8.2 O grau mínimo para aprovação no Curso Básico, e recebimento do Certificado, é a nota mínima de 6,0 (seis) mais a freqüência mínima de 75%. 
 


9. Certificados 
 
9.1 Os certificados são emitidos pela CBAt para os aprovados de conformidade com o item 8 acima. 
 


10. Providências Administrativas 
 
10.1 Cabe aos organizadores, por intermédio da respectiva federação estadual, solicitar à CBAt a realização do Curso Básico, propondo o nome do ministrante. 
 
10.2 A CBAt concede a respectiva autorização e aprovação do nome do ministrante, fornecendo todas as instruções para realização do Curso, incluindo os originais dos materiais para reprodução e distribuição aos participantes. 
 
10.3 Ao final do Curso, os organizadores encaminham à CBAt a relação completa dos participantes, contendo nome, data de nascimento e endereço completo dos mesmos. 
 
10.4 Ao final do Curso, o Ministrante encaminha, obrigatoriamente, para a CBAt os exames de avaliação escrita, bem como planilha com os graus obtidos pelos alunos na parte teórica, para emissão dos respectivos certificados. 
 


11. Conteúdo Programático 
 
11.1 – Unidade I 
 
CONTEÚDO
Distribuição do programa do curso, material e apresentação 
 
O Atletismo Provas Oficiais do Atletismo Entidades de Organização Regras Faixa Etária O Árbitro de Atletismo – Qualidades Necessárias Sistema de classificação de árbitros 
 
Funções da Arbitragem: Oficiais de Direção Coordenadores Árbitros Gerais Árbitros Chefes Oficiais 
 
Uniformes Sapatos 
Números Estádio de Atletismo Corridas – Informações gerais Características e situações que podem ocorrer nas provas de corridas Medição da velocidade do vento e utilização do anemômetro 
Partidas:  Tipos e características Vozes de comando Blocos de partida Equipe de partida - posicionamento Chegada: Árbitros Posicionamento Características do oficial de chegada Video 
 
11.2 – Unidade II: 
 
CONTEÚDO 
Cronometragem: Método manual Cronometristas Método Totalmente Eletrônico Método de Transponder Súmulas Registradores de volta Inspetores de Pista 
Corridas com Barreiras: Construção Provas oficiais Número e colocação de barreiras Posicionamento dos Inspetores de Pista Desclassificações Vídeo
Corridas com Obstáculos: Construção Provas oficiais Formas de ultrapassagem Arbitragem Revezamentos Provas oficiais Zonas de passagem e opcional Posicionamento dos Inspetores de Pista Desclassificações Vídeo Seriação Método Sorteio de raias 
 
11.3 – Unidade III: 
 
PROVAS DE CAMPO:
Provas oficiais: Regras gerais  Tempos para execução das tentativas Aquecimento Saltos Verticais: Condições gerais 
Tentativas Salto em Altura: Área de competição e equipamentos Infrações Elevação da Barra Tempos para as tentativas Aferímetro Medidas Salto com Vara: Área de competição e equipamentos Infrações Elevação da Barra Aferímetro Tempos para as tentativas Medidas Colocação de fita na vara Substancias aderentes 

SALTOS HORIZONTAIS: Regras gerais, velocidade do vento Salto em Distância: Área de competição Anemômetro – posicionamento e operação. Faltas Medição  Posicionamento dos árbitros Salto Triplo: Área de competição Anemômetro – posicionamento e operação Faltas Medição Posicionamento dos árbitros

ARREMESSO E LANÇAMENTOS: Provas oficiais Regras gerais Implementos Tentativas Proteção pessoal Substâncias aderentes
Arremesso do Peso: Área de competição Implementos oficiais Regras Gerais Faltas Medição Posicionamento da arbitragem
Lançamento do Disco: Provas oficiais Regras gerais Implementos Tentativas Proteção pessoal Posicionamento da arbitragem
Lançamento do Martelo: Provas oficiais Regras gerais Implementos Tentativas Proteção pessoal Posicionamento da arbitragem 
Lançamento do Dardo: Provas oficiais Regras gerais Implementos Tentativas Proteção pessoal Posicionamento da arbitragem Medição eletrônica 
 
11.5 – Unidade IV: 
 
CONTEÚDO 
Súmulas: Saltos Verticais Resultado Final Classificação Legendas Empates – critérios de desempate 
 
Saltos Horizontais Resultado Final Classificação Legendas Empates – critérios de desempate 
 
Arremesso e Lançamentos Resultado Final Classificação Legendas Empates – critérios de desempate 
 
Provas Combinadas: Características Sequência das provas Regras gerais Resultados: pontuação Empates 
 
Marcha Atlética: Definição Provas Oficiais Arbitragem Faltas Documentos para registros 
 
Corridas de Rua: Distâncias oficiais Medição do percurso Linha de partida/chegada Cronometragem Postos de hidratação Segurança dos atletas Arbitragem 
 
Cross Country:  Provas oficiais Características Medição do percurso Largada e chegada 
Arbitragem 
 
Corridas em Montanha: Provas oficiais Características Medição do percurso Largada e chegada Arbitragem 
 
Segurança na Competição: Normas e procedimentos Vídeo 
 
11.6 – Parte Prática: 
 
Prática de Arbitragem: Apresentação dos setores da pista e do campo. Posicionamento da arbitragem nos diversos setores de competição. Pista: Saída, chegada, passagem de bastão, marcações para colocação de barreiras e obstáculos. Campo: Montagem dos setores dos saltos, marcas, tábuas de impulsão, marcação de ângulos do arremesso e lançamentos, e medições, etc. 
 
11.7 – Avaliação. 
 
Download do Anexo

publicidade